quarta-feira, 25 de março de 2009

A menina dos olhos de lupa

A menina e a sacada púrpura V
(A menina e o despertar)

Rodava. Dentro da cabeça rodavam um turbilhão de cores, de sons, de gestos.
"Há quanto tempo você mora aqui?"
"Orfã."
"Por que púrpura?"
Perguntas e respostas. Olhares e propostas. Dias. Noites. Manhãs e mais manhãs. Músicas e chocolates. Par e pôr-do-sol.
Algo transcendia e sugava sua alma-menina em fulgores relutantes.
Respiração ofegante. Pupílas dilatadas.
Os olhos abrem, mas parecem resistir em reviver.
Abrem e fecham diversas vezes num único instante.
Mas, não há escolha: é vida!
A menina percebe-se estranha, algo acontecera.
O corpo úmido de suor e os olhos vidrados no teto.
Ela corre as mãos pelo colchão na tentativa de reconhecer o espaço. Estava ela, deitada naquele que já não parece tão bolorento, frente a janela amarela.
O quarto agora compõem-se com guarda-roupa, escrivaninha, abajur, livros e cigarros. Do alto da janela, desce uma cortina semi-transparente com detalhes de flores e ramos.
A menina desespera-se: este não é o seu espaço, esse não é seu corpo, essa não é ela.
Ela levanta, corre até a janela e escancara a cortina:
Do outro lado da rua, a sacada é vermelha e uma senhora com seus pesados 65 anos rega pequenos vasos de orquídeas vagarosamente.
Os olhos de lupa examinam toda a rua, ponta a ponta, sacada por sacada, porta a porta, janela a janela, rosto a rosto, correndo de um lado a outro diversas vezes.
Ela tocou lentamente seu corpo: examinou a blusa branca e short jeans que vestia.
Começou a andar pela casa examinando cada cômodo, cada cheiro: a cozinha estava limpa, os livros e papéis arrumados, portas e janelas trancadas, as cartas sobre a mesa.
Tudo era confusão.
Havia ausência nas paredes, no teto, no vento, em cada fio de cabelo, nas xícaras vazias, nas fotografias e no coração pulsando lentamente dentro da menina. Uma falta maior que a capacidade de ser.
Suavemente uma música balançou a cortina da varanda tocando a menina com um afago amante, carnal, delirante e a ela percebeu vida entrar através da única fresta de lucidez que ocupava aquele espaço:

"Não há nada em ti que não reflita em mim.
Os seus olhos me escondem, não me deixam partir.
Ensaia confusões pr'eu não me esquecer de viver no seu mundo
E tentar te entender." *

Ela sorriu um prazer delicado e pungente, correu para a varanda em busca da fonte sonora: na rua, um menino sentado na calçada tocava violão e olhava para o céu, abismado com as cores celestes ao entardecer.

A menina respirou sua última esperança, ajoelhou-se, olhou o céu e chorou.

A campainha toca.


* Música: Entender você - Aguarráz

7 comentários:

_diabolique_ disse...

Ela voltou.

"Os olhos abrem, mas parecem resistir em reviver."

"Começou a andar pela casa examinando cada cômodo, cada cheiro: a cozinha estava limpa, os livros e papéis arrumados, portas e janelas trancadas, as cartas sobre a mesa.
Tudo era confusão."

posso passar a vida toda copiando as citações sem cansar

e a música, que música!

mal posso esperar por mais, vc sabe que eu fico sem palavras, vou ficando por aqui

=*

Aquela garota branca disse...

lindo, lindo mesmo.

O Profeta disse...

A palavra é semente
Que floresce na luz de cada alma e enternece
Às vezes é doce veneno
Às vezes taça de cidra que o peito aquece

Ser Poeta é tanto, tão pouco
É transformar em crentes os ateus
É domar todas as tempestades da alma
É estar mais perto de Deus


Bom fim de semana


Mágico beijo

Giuseppe Menezes disse...

Eu li essa continuação no mesmo dia que você publicou, depois reli as partes anteriores e esta mais uma vez... mas não sei porque comentei.

Vou ler de novo. =D

Josy disse...

É mesmo, porque púrpura, porque não a menina da sacada preta?

uahauhauahuaha

lindo Clarissema, continue.

Carolina de Castro disse...

Muuuuito lindo seu blog!!
=P
Beijao

Letícia disse...

"Por que púrpura?", Clari?
*-*